A minha quase corrida de kart.

Confesso que estava um tanto apreensiva por causa dessa corrida. Coisas desconhecidas sempre me deixam apreensiva.

A corrida em si não era a causa da minha aflição. Na verdade eu ficava me perguntando se 1) eu caberia no macacão de corrida e 2) se eu alcançaria nos pedais do kart. Gente, pra quem não lembra eu tenho 1,47 de altura. São essas as agonias do meu mundo, ok?

Aí ta, chegamos lá e eu já sai perguntando pra mulher que trabalhava lá se eu alcançava nos pedais e ela me disse para eu ir testar um dos karts. Um moço me disse que eu andaria no kart 13 porque tinha o banco mais pra frente. Fui lá, experimentei, ficou ótimo e eu fiquei mais tranquila.

Maaas teve uma corrida antes da nossa e a MONGA que tava no kart 13 bateu de um jeito que estragou o meu kart lindo maravilhoso. :(

Nessa hora eu comecei a ficar aflita mais uma vez. Ok, eu não tinha deixado de ficar aflita, porque só de ver a pista já me dava uma coisa no estômago. E eu pensava: E agora? :(

Quando chegou nossa vez, o moço tirou meu amigo de um dos karts e disse que eu tinha que andar naquele. Sentei, mas não ficou muito bom, aí eles trouxeram UMA ALMOFADINHA pra mim. Humilhação mandou um beijinho.

Mas eu tava com tanto medo da corrida que deixei passar. O macacão serviu, tava tudo ok, lá fui eu.

Antes da corrida mesmo, tem a tomada de tempo pra saber em que colocação tu vai largar. São 10 minutos. Em 10 minutos eu girei e bati nos pneus fazendo com que meu pescoço quase saisse da minha cabeça, e na última volta da tomada de tempo meu LINDO namorado bateu em mim! Mas olha, bateu mesmo viu? Tá, eu tava um pouco devagar, mas poxa… Aí ele bateu em mim, eu bati nos pneus, bati com as costelas na direção, com a cabeça não sei onde e olha, vi o mundo girar. Não deu, tive que sair.

Conclusão: não corri de kart. Olha que legal.

Talvez eu pudesse continuar a correr, mas eu fiquei tão mal na hora que a primeira coisa que eu pensei foi: “mãe, cade você? :(”

Fica aí uma foto da minha quase corrida.

eu sou a nanica ali com as mãos no bolso morrendo de medo, bjs

Advertisements

Sou chorona, assumo.

Quando eu era mais nova tinha essa mania de me fazer de durona. Dizia que era aquela que não chorava por nada.

Pf, pura conversa.

Não adianta eu esconder mais. Sou chorona mesmo.

E olha, chega a ser ridículo. Já chorei vendo Click, Procurando Nemo, Titanic eu só vi uma vez justamente por isso, me lavo chorando. Chorei vendo propaganda de Natal, novela, Big Brother, já até chorei vendo o quadro do Lata Velha do Caldeirão do Huck, pasmem.

Meu namorado fica debochando da minha cara. Toda hora ele diz: “não me diz que vai começar a chorar?” E aí sim eu choro.

Mas tu numa fase muito “me aceito como sou”, então estou assumindo que sou chorona.

E por que eu decidi fazer um post sobre isso? Porque comecei a ver New Girl, a série com Zooey Deschanel que teoricamente é de comédia, mas me fez chorar no primeiro episódio. Chorei porque os amigos dela foram no restaurante que ela tava e cantaram The Time Of My Life do filme Dirty Dancing [que é meu preferido]. não é spoiler, tá no trailer da série. 

Mas enfim. Me sinto livre agora.

 

Um tanto de livro.

Eu estou lendo 4 livros ao mesmo tempo. Recorde.

Leio dois por obrigação, um por diversão e um porque é emprestado e eu preciso devolver. Mas gente, não to sabendo lidar!

Na hora de dormir, que é a hora que eu acho mais gostosinha pra ler eu fico um tempão pensando: “Ta, qual vai ser hoje?” E aí eu pego um e no meio da leitura me da uma agonia e aí eu olho para os outros que estão “de lado” e aí já quero pegar outro pra ler. Socorro.

Pra mim não funciona pegar um monte de livros pra ler ao mesmo tempo. Não flui e eu acabo não terminando nenhum.

Pensei numa solução: Vou pegar o resumo de um dos obrigatórios e vou deixar um pouco de lado o livro que estou lendo por diversão. Aí termino o que é mais obrigatório e o emprestado que eu tenho que devolver..

Problem solved! Ufa.

 

Eis os livros que estou lendo: Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis [resumo, oi], Crônica de uma morte anunciada – Gabriel García Márquez [obrigatório pra faculdade e bem bom por sinal], Terra de sombras – Alyson Noël [o emprestado que eu to enrolando pra ler porque é chatinho], A música que mudou a minha vida – Robin Benway [o por diversão que é um amor! E eu vou deixar de lado um pouquinho. :(]