O Enem pra mim é sempre igual.

Todo o ano é a mesma coisa:

– As ruas ficam cheias de carros e consequentemente, fica tudo trancado e muitas pessoas perdem a prova.

– As pessoas que perderam a prova ficam lá, dando entrevista pra Globo.com, chorando e querendo protestar [?]

– Uma sala cheia de Gabrielas, onde eu sempre acabo descobrindo que muitas delas não honram o nome que tem.

– Uma ou duas das Gabrielas são desclassificadas por um motivo muito idiota, e eu fico me segurando pra não rir. Sou legal?

– A fiscal sempre com as mesmas instruções chatérrimas, e algumas bem imbecis, devo confessar.

– No EXATO instante em que abro a prova, um sono GIGANTE me acomete, e assim já perco 75% de vontade de continuar lá.

– Lá pelas 14 horas da tarde, aparece algum erro no gabarito ou em alguma prova. Não fico surpresa, porque Enem é assim mesmo.

– Vejo que algumas questões foram feitas por pessoas retardadas, outras por pessoas normais, e outras química feitas por pessoas vindas direto do inferno e que não gostam de nós, estudantes.

– Como sempre acabo a prova uma ou duas horas antes de sair da sala com ela. E fico muito entediada e ao mesmo tempo irritada, porque isso de esperar horrores de tempo pra levar a prova é muito imbecil.

– Na saída do colégio, muitos amigos rindo, comentando a prova e felizes. Eu só pensando em ir pra casa logo.

– No segundo dia as Gabrielas estabelecem contato, e eu fico de fora porque várias delas não honram o nome que tem. DEFINITIVAMENTE.

– Prova sem erros, Linguagens feitas por retardados e matemática por pessoas normais. Mas os demoníacos conseguiram algumas questões pra eles também.

– Saio meio hora antes, morrendo de cansaço, calor e dor nas costas. Mas aliviada.

– Corrijo a prova de noite.

A única coisa diferente desse ano é que eu me saí muito bem! Milagre divino.

Umbeijo pra mim :D