Pergunta pra ele.

Peguei na biblioteca da faculdade o livro A Cabana.

Já leram?

Sempre quis ler, mas não sabia do que se tratava. Peguei mesmo assim e fui pra casa. Fiquei surpresa por saber que o livro é um tanto religioso e que traz uma questão ótima que me fez pensar muito.

Ainda não terminei de ler, mas não paro de pensar a respeito. Basicamente o personagem principal do livro tem um encontro com Deus.

Cara, já pensou nisso?

Eu não sou religiosa, acredito em algo superior que está por aí nos cuidando que por convenção chamo de Deus sem muita certeza, sabe assim? Queria ser mais esclarecida quanto a isso, mas ainda não sou… tudo a seu tempo, né?

Só que esse livro me fez  ficar horas pensando. Se eu tivesse a oportunidade de me encontrar com Deus… o que eu faria? O que eu falaria primeiro? Como eu chamaria ele?

Primeiro eu sei que morreria de medo, já que tenho medo do desconhecido, imagina um desconhecido tão importante!? Ficaria tensa e nervosa, gaguejaria, e por fim jogaria um monte de perguntas que estão na minha cabeça ainda sem respostas.

Pra começar, o que ele tava pensando quando criou tudo? Levando em conta que foi ele que criou tudo.

O que vai ser do mundo daqui pra frente? E 2012, vai rolar mesmo? A humanidade ainda tem conserto?

E a minha vida, to indo bem até agora? Vou morrer logo? [e nessa última eu ia insistir pra ele me responder] E assim vai.

Tenho pensado em mil perguntas que poderia fazer pra ele e fico um pouco frustrada, porque não tenho a resposta de nenhuma e imaginar o que ele poderia me responder me da uma agonia tremenda.

E vocês? O que perguntariam pra Deus? O que falariam com ele?

Me contem, quero pensar mais sobre.

E né, fica aí a reflexão.

Charlie Brown me entende.

 

Eu, o pessimismo em forma de mini gente.

Nosso cérebro é um barato.

Já deu pra perceber que eu adoro esses assuntos da mente, psicologia, neuras, etc., né?

Ontem antes de dormir eu tava contando pro namorado que não tinha dormido bem na noite passada porque tive alguns pesadelos e que passei a noite morrendo de calor.

Nos demos conta que o nosso cérebro, muito maroto, tenta nos avisar que algo está errado [no caso o calor que eu tava passando] e acaba criando imagens ruins ou algo assim na nossa cabeça pra quem sabe nos fazer acordar e dar um jeito no que tá errado!

Entenderam?

Eu tava morrendo de calor, mas não acordava. Comecei a ter pesadelos de um monte de coisa estranha, e aí acordei assustada e me dei conta que tava suando horrores. Que gênio esse cérebro, hein?

Aí que entra a parte curiosa da história. No pesadelo eu via espíritos no meu quarto aí acordei assustada porque SÓ DEUS SABE  o quanto eu tenho medo de espíritos. Percebi que tava morrendo de calor, mas em vez de me destapar me tapei mais ainda porque né, MORRENDO DE MEDO DE VER GHOSTS  NO MEU QUARTO.

Ou seja, que cérebro bocó. Ele sabe que eu tenho medo de espíritos, então por que planta essas imagens na minha cabeça só pra eu acordar, me tapar mais ainda, morrer de calor e ficar pingando de suor [sério] e não dormir de noite?

Não me ama o meu cérebro. :(

Ai gente, nem falei do Dia dos namorados aqui. Só pra deixar registrado o quanto foi lindinho, delícia com morango e nutella. Reflita. Te amo, gurizinho.